O EIXO INTESTINO-CÉREBRO E O PAPEL DA SEROTONINA

Kleber Vedovato, Aline Rosa Trevizan, Caroline Nonis Zucoloto, Murillo Dorileo Leite Bernardi, Jacqueline Nelisis Zanoni, Juliana Vanessa Colombo Perles Martins

Resumo


Este trabalho teve por finalidade buscar informações na literatura que descrevam a interação entre o sistema nervoso central (SNC) e sistema nervoso entérico (SNE), e que demonstrem de que forma a serotonina pode atuar no “eixo intestino-cérebro”. A serotonina (5-hidroxitriptamina, 5-HT) originalmente descoberta em 1937 por Vittorio Erspamer é uma indolamina, encontrada em células do trato gastrointestinal, plaquetas e no sistema nervoso central de mamíferos, sendo que cerca de 95% da 5-HT corpórea é produzida no intestino. De acordo com a literatura o trato gastrointestinal é inervado por cinco diferentes classes de neurônios: neurônios entéricos, aferentes vagal, aferentes da coluna vertebral, eferentes parassimpáticos e eferentes simpáticos. Os alvos primários da 5-HT que é secretado pelas células enteroendócrinas são as projeções intrínsecas constituída por neurônios aferentes primários da mucosa e plexo mientérico, e projeções extrínsecas, constituída por nervos que transmitem sensações gerais além de náuseas e desconforto para o sistema nervoso central. Após os dados compilados da literatura fica claro que o SNE desempenha papel singular, podendo agir de maneira independente, mas também mantém sinapses com o SNC, por meio do nervo vago. Dessa forma, ambos os sistemas podem influenciar a atividade um do outro mediante o “eixo intestino-cérebro”. Adicionalmente a 5-HT apresenta-se como um importante neurotransmissor envolvido na interação entre o SNE o SNC, importante na regulação da sensação de motilidade e secreção intestinal e também atua na ativação e condução da informação ao SNC.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v18i1.2014.5156