ANÁLISE DA FLEXIBILIDADE DOS MÚSCULOS DA CADEIA POSTERIOR MEDIANTE A APLICAÇÃO DE UM PROTOCOLO ESPECÍFICO DE ISOSTRETCHING

Francieli Wilhelms, Natália Boneti Moreira, Patrícia Mantovani Barbosa, Paula Renata Olegini Vasconcellos, Gustavo Kiyosen Nakayama, Gladson Ricardo Flor Bertolini

Resumo


A palavra flexibilidade significa curvar-se, logo, refere-se à extensibilidade dos tecidos periarticulares para permitir o movimento normal fisiológico. A flexibilidade tem importância qualitativa no desempenho desportivo e lúdico do ser humano. As principais técnicas de desenvolvimento da flexibilidade são o alongamento ativo, alongamento passivo, e facilitação neuromuscular proprioceptiva. A fisioterapia uma das áreas que abordam o treino dessas habilidades físicas, e dispõe dos mais diferentes recursos dentro da cinesioterapia e técnicas terapêuticas para esse fim. Nesse contexo, o Isostretching, caracteriza-se como uma das estratégias passíveis de adoção, considerado tanto como uma modalidade de atividade física, com finalidades terapêuticas como uma terapia comple­mentar para o tratamento dos desequilíbrios posturais, tido como um método postural global que objetiva fortalecer e melhorar a flexibilidade da musculatura. Desse modo, o objetivo desse estudo foi analisar a resposta de flexibilidade dos músculos constituintes da cadeia muscular posterior de maneira global. Para isso, antes da aplicação do protocolo de isostretching, imediatamente após as intervenções (2 semanas) e posteriormente (2 semanas após o término da aplicação), foi realizado um estudo analítico, intervencional, do tipo ensaio clínico não aleatorizado, utilizando uma amostra por conveniência. A avaliação de flexibilidade foi efetuada por meio do Banco de Wells e Teste global dos músculos da cadeia posterior. Os resultados encontrados no presente estudo sugerem que o programa de Isostretching atua na melhora da flexibilidade dos músculos da cadeia posterior, resultados estes referidos nas duas maneiras de testagem. Conclui-se ao fim desse estudo que o Isostretching promoveu aumento da flexibilidade da cadeia posterior, imediatamente após a intervenção, e manteve-se após duas semanas da intervenção apesar de sofrer perdas, essas não atingiram o nível das avaliações iniciais pré-tratamento.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v14i1.2010.3406